20 de ago de 2010

Eu dei tempo no teu silêncio




"Tu és o grande amor
Da minha vida

Pois você é minha querida
E por você eu sinto calor
Aquele seu chaveiro
Escrito "love"
Ainda hoje me comove
Me causando imensa dor
Dor!...



Eu me lembro
Do dia em que você
Entrou num bode
Quebrou minha vitrola
E minha coleção
De Pink Floyd..."



Lá vem eu de novo reclamar a respeito da minha estrela (mais conhecida como a alma penada que me deu bolo) A Jucidias que vai levar essa história até os 80 anos de vida dela, e ainda repassar pros netos.
Eu ando com medo e receio em relação a Estrela. Ela chegou sorrateira em minha vida. Chegou me encantando com todo seu mistério. Daí, ao mesmo tempo ela me deixa com medo. Ela não fala quase nada dela, eu não sei NADA da vida dela. O pouco que sei, não sustenta a segurança.


"E até!
Até o filme
Que eu vejo em cartaz
Conta nossa história
E por isso, e por isso
Eu sofro muito mais...
Eu sei!
Que dia a dia
Aumenta o meu desejo
E não tem Pepsi-cola que sacie
A delícia dos teus beijos..."

O ultimo encontro vocês que acompanham o reino já sabem que foi legal. Porém, aquele lugar não é o CANTO dela. O dela mesmo eu não sei. E queria muito saber e ir até ela. Mas ela não me diz. E quando pergunto, ela faz uma tempestade, vira uma onça. Disse que sou muito ansioso e que eu desse tempo a ela. Prometi que não cobraria nada. Mas, vacilo e acabo cobrando, o que a deixa irritada.
Essa mulher misteriosa está me deixando doido.




Ah!
Quando eu me declarava
Você ria
E no auge da minha agonia
Eu citava Shakespeare...
Não posso sentir
Cheiro de lasanha
Me lembro logo
Das casas da banha
Onde íamos nos divertir
Divertir!...

Estrela,
Eu dei tempo no teu silêncio, pra te dizer com o coração coisas inesquecíveis e assim, calar minha mente insaciável. Eu cobro tempo pra te abraçar, te beijar e pedir pra que o mundo nunca mais fosse o mesmo. Pra que você fizesse o meu mundo nunca mais ser o mesmo.
Eu te dou tempo pra te mostrar o quanto eu esperei este tempo chegar. Quero me convencer que nós dois somos ímpares. Eu te darei tempo pra demonstrar de forma razoável que o mundo não é uma eterna busca por uma noite a mais de prazer.
Tenho tempo pra te convencer que este era o tempo certo. Tempo em que depois que nos encontramos não poderia mais haver partidas, onde só importaria a tua chegada.
Eu tenho o tempo necessário pra te dizer que o espaço que eu guardei pra você no meu coração é imenso, e dele você poderia fazer o teu lugar.



"Mas hoje o meu
Sansui-Garrat e Gradiente
Só toca mesmo embalo quente
Prá lembrar do teu calor
Então eu vou ter
Com a moçada lá do Pier
Mas prá eles é careta
Se alguém
Se alguém fala de amor
Ah!...

Na Faculdade de Agronomia
Numa aula de energia
Bem em frente ao professor
Eu tive um chilique desgraçado
Eu vi você surgindo ao meu lado
No caderno do colega Nestor
Nestor!..."



Conclusão
Porém, mais veloz que as minhas tentativas de palavras, o seu silêncio falou por nós. Justo aquele silêncio que nada diz. Seu silêncio beijou meus olhos, minha boca. O seu silêncio me abraçou e me conduziu com o vento. E do silêncio, você construiu a tua verdade. Dele você fez a tua vontade, e fim. 


"É por isso, é por isso
Que de agora em diante
Pelos 5 mil auto-falantes
Eu vou mandar berrar
O dia inteiro
Que você é: O Meu
Máximo Denominador Comum!..."

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Intense Debate Comments