12 de out de 2009

Perdoe o meu passado,que eu perdôo o seu.

Faz uns dias que ando me dedicando mais as minhas pequenas. Por alguns motivos. Um deles é que a maior anda se rebelando. Esses dias fui chamar a atenção dela porque fez arte. E depois a proibi de fazer algumas coisas, ela veio com uma pergunta que me deixou sem saber como responder.


Ela quis saber por que (uma criatura que fez parte de um passado não muito distante) não chegava nunca. E eu falei que não ia chegar, que não vinha e tal. Sabe o que a menina me falou?

- você mentiu! E mentir é feio. Você disse que ela vinha ficar com a gente. E seria nossa mãe.
- Filha, vocês tem mãe. Só que ela está chegando pra ver vocês.
- É? Então minha mãe me ama, e me quer. E ela vai deixar eu usar maquiagens e fazer o que eu quero. Porque você é muito chato.


Ter ouvido isso dela, foi pior que levar um fora de ex namorada. Doeuuuuuuuu. Partiu meu coração em mil pedacinhos. Nossa, daí pedi help a minha mãe. Ela disse que eu tinha que saber usar as palavras certas com ela e conversar, e jamais deixar que ela tome as rédeas da situação. E que eu ainda verei e ouvirei coisas piores. E que eu fosse me acostumando, porque filhos, depois que crescem e conhecem amiguinhos, você não será mais a companhia perfeita para eles.


Olha, fiquei assustado com tudo isso. Me vi completamente abandonado pelas meninas que dediquei todo meu amor e carinho. Sendo largado como se eu tivesse sido apenas útil quando elas eram bbzinhas e indefesas.
Puxa! Eu cuidei e cuido melhor do que qualquer mãe por aí. Fico noites sem dormir quando elas apenas espirram. Protejo, dou carinho, passo confiança, para depois ter que ouvir uma menina me dizer certas coisas, e precoce ainda mais.


Eu juro que não quis envolver minhas filhas no relacionamento que eu tive com a pessoa. Mas elas falavam com a pessoa, sempre viram as fotos, e até hoje esperam o tal “mingau”, um cachorrinho enorme de pelúcia que a “pessoa” mostrou a elas.


A pequena nem tanto, lembraria se vê a pessoa e diria o nome. Mas a maior, lembra de muitas coisas, guardou tão bem na cabecinha que, não esqueceu.
O maior culpado disso fui eu. Quem mandou ter colocado elas no meio disso? Foi merecido ter ouvido o que ela me falou.
Bem, estou inseguro porque a genitora delas vai chegar. Não sei quando, mas está pra vir. Espero não perde-las. Acho que, ficar sem elas, seria como ficar sem meu coração e minha alma.
Ontem e hoje saímos, nos divertimos, brincamos muito. Estamos exaustos.
E mesmo não sendo criança, ganhei um presente. Hoje falei com meu filho. Não era o meu dia, e sim o dele. Dele por 2 motivos. Por ser uma data comemorativa (dia das crianças) e o aniversário dele de 02 aninhos.

Vocês não têm idéia da emoção. Eu nunca tinha escutado a voz dele. E ouvir ele falar papai. Foi algo assim, IMPACTANTE! Lógico que também fiquei com cara de bobão quando as minhas duas filhas falaram pela primeira vez “papai”. Mas sendo de um menino, querendo ou não, soou diferente. Sei lá, foi uma emoção única, satisfatória.


E a outra surpresa é que, em Dezembro ele vai vir de Portugal para passar uns dias comigo. Eu e a mãe deles somos amigos. Tipo, não tenho problemas em relação a brigar por causa do menino. Ela é uma boa mãe, equilibrada, muito inteligente e uma ótima profissional “Artes – trabalha como restauração de obras de artes. Eu a conheci restaurando uma capela em Florença – Itália. Pior foi saber depois que, ela era colega da genitora das minhas filhas. Sei que nos tornamos amigos, saímos muito, nos divertíamos muito e aprontamos muito (resultado disso o Pablo veio ao mundo).
Lembro de uma aventura maluca. Que eu estava sem sono, e as 2 horas da madrugada saí de moto, e fui lá na casa dela. O quarto dela era no andar de cima, e eu comecei a jogar pedrinhas, e ela não aparecia. Daí escalei e cheguei na janela e entrei. Ok ok que eu quase a matei de susto. Mas ela bem que adorou. E lembro que estava frio e a moto não pegava e saímos empurrando, e ela rindo da minha cara porque eu dizia: FORÇA! EMPURRA! KD SUA FORÇA MULHER? QUER NESCAU, TEM VITAMINAS E DÁ MUITA FORÇA!! E eu belo e formoso montado na moto né? E saímos apenas para ver o sol nascer longe das pessoas.
E eu soube que ela estava grávida e fiquei pasmo. E mais ainda quando ela me disse que o filho é meu. Ahahahha. Puxa, pensem na minha situação. Pai solteiro de duas meninas, a caçula era um bbzinho ainda e já ser pai de novo? Eu quase pirei. Mas assumi. Lembro que, mesmo antes de sair o resultado do DNA (calma né? Eu pedi e tinha meus motivos. Não que ela saia com outros homens, mas é que...Bem, eu usei camisinha. Não acreditam? Mas foi ué!)
Quando o Pablo nasceu, eu deixei uma mensagem assim:

“Nasce o filho da minha amiga Leila. dia 12 de Outubro do ano da graça de 2007 pelas 04.00 de uma madrugada amena, quando as estrelas ainda brilhavam nos céus e a lua nova movia-se na trajetória celestial, um lindo menino no alto dos seus 51cms e 3,720kg veio de mansinho espreitar a vida. hj e a partir deste dia, aos pais e à família irão reunir-se os deuses do Olímpo, as fadas, os duendes e todos os seres encantados p/lançar-lhe magias, crescerá uma pessoa muito linda e com um coração ainda mais bonito, será bafejado com uma vida longa, com muito amor e muitos amigos. por isso, a partir de hj e em cada ano q passa, toda as pessoas q gostam dele irão reunir e refazer os votos e desejos de q o dia de hj se vá repetir por muitos e muitos anos...(discute-se agora o nome do garoto, a minha amiga Leila quer q se chame Pablo, ela curte Pablo Neruda, e eu acho q ele tem cara de Fernando, pq eu adoro Fernando Pessoa.Bem, ae é com ela né? Amigo num se mete nessas coisas.”

P.S: O que eu peço todo dia a Deus é que, ilumine, proteja e cuide bem das minhas filhas. Mesmo elas me abandonando...Ou não!







14 comentários:

Lúcia do Carmo disse...

Sou mãe de 3, não sei como é ser pai rsrs, mas vou dizer, ficar longe dos filhos é duro mesmo quando eles se rebelam agente quer sempre esta junto, eu sei o que tá sentindo, só que penso será que fiz isto tudo com meus pais? Na verdade o q os pais passaram agente passa a mesma coisa é assim q penso.
Abraços

WANDER.CHEF disse...

Tive duas filhas de um relacionamento de dez anos , e sei bem como é isso tudo.
Quando nos separamos elas foram morar numa cidade distante, eram novimhas 6 e 4 anos...
os anos foram passandp, fomos nos vendo cada vez menos , e quando já estava ficando desesperado de tantas saudades, Deus me deu uma nova companheiram e junto dela uma linda gatinha , a quem edico todos os dia o amor que estava guardado para as tres.
Hoje minha filha mais velha Izabel tem 17 , a Débora tem 15,E a Ana agora já não é mais uma bebezinha , tem 8 aninhos...
Apesar da distancia que me separa das mais velhas, não há um dia em que elas não estão comigo, não ao meu lado, mas dentro do meu coração.

Vera disse...

O que a tua filhinha falou foi só um desabafo momentâneo. Com certeza as duas te amam e jamais, mesmo quando forem embora viver suas vidas, deixarão de amar e admirar o pai que lhes deu carinho e atenção.Coisas de criança, como o meu neto disse um dia para mim: eu não gosto de você! E eu gritei bem alto: eu também não gosto de você ( ele levou um susto!)...eu AMO você!...sorrisos e um abraços, e tudo voltou a ser como antes!
Beijossss

Professora Ismaelita disse...

lindo post, tenho certeza que suas filhas sabem que é um paizão é so manter por perto a presença é fundamentar,abraços

Xênia da Matta disse...

Meu querido Diego,
Suas filhas ainda não te disseram a metade da metade das coisas que vão dizer pela vida a fora. Mas, em relacionamentos seguros é assim mesmo. As pessoas tem liberdade para expressarem seus sentimentos exteriorizando os e as vezes nos chocam com suas colocações.
Na verdade, eu criei também meus filhos "sozinha", e acredito que o melhor de todo o nosso relacionamento é que fomos sempre parceiros, amigos verdadeiros.
Quanto a se impressionar com a escolha dela de ficar com a mãe, não deixe transparecer jamais que isso o afeta, por que será para elas mesmo inconscientemente um tendão de Aquiles, aquele algo que sempre o dominará.
Diga com ternura: Filha eu adoraria que ficasse para sempre comigo, mas, a escolha final sempre será sua.
Não mude o seu jeito de ser "caprichando" mais no seu carinho, afeto e dedicação, seja sempre natural, por que o amor é muito natural.
Te desejo sucesso sempre, bjux.

Ebrael Shaddai disse...

Diego,

Vou procurar ser discreto e "ameno". Tenho filho também, de 10 anos. Ele mora com a mãe dele. Ele vive reclamando queela diz isso, não deixa ele fazer aquilo. E o pai (ou a mãe) que mora distante sempre vai ser a esperança libertária deles. É uma época auto-afirmação dos instintos egoístas de todos os humanos. Sempre os que detém suas rédeas vão ser os censuradores e chatos, e os distantes vão ser sua esperança de salvação, seu Messias, que virá um dia e os livrará do jugo romano...kkkk...Não se preocupe, qdo crescem, reconhecem os valores dos que os cuidaram sempre e lembram-se do apego que te tem, quando o mumdo então lhes derem o primeiro tapa, a primeira cusparada na cara, e dizer que não os querem da forma que são.

Outra coisa: que coincidência (não sei se infeliz, feliz ou indiferente) de ter as mãesdos seus filhos em relação direta uma com a outra!! se vc nçao tiver tido algum "mal desempenho", é uma dor de cabeça a menos....kkkkkkkkk...

E a sua mensagem de nascimento do Pablo é quase uma carta de descobrimento do Brasil. No seu caso, a descoberta do orgulho e dum novo e puro amor paterno. Diria mais, quase um sermão do Pe. Antônio Vieira, só que mais suscinto e não-chato.

Abçs!!

Ebrael.

Antonio Regly disse...

Diego,

Quando minhas filhas começaram a crescer, pensei que lendo livros como "Criar filhos não é brincadeira", "Socorro, temos filhos!" e outros do tipo fosse me dar a receita de "sabedoria", de melhor modo de criá-las. Descobri logo que nada disso funciona. Descobri e continuo acreditando que nunca descobriremos. Sempre ouviremos coisas que não imaginamos ouvir, por mais que nos dediquemos em alguns momentos serão ingratos; por mais que cresçam e passem a ser donos das próprias vidas, aí é que dão mais trabalho.

Minhas filhas tem 25 e 28 anos. O ditado "filho criado, trabalho dobrado" aplica-se ipsis litteris. Tenho um cunhado que tem 55 anos. O pai tem 80. O sujeito é pai - tem dois filhos - nenhuma mulher o atura, pois não o aguenta. E quando é posto para fora de casa volta para a casa do pai a criar inúmeras confusões. Mas... é filho. Diz sempre o meu sogro.

Já passei por tratamento de depressão e achava que era consequência de stress no trabalho. Qual no foi minha surpresa quando a Psicóloga disse que o problema eram as minhas filhas.

Hoje, já estou na segunda geração, com dois netos: um de 12 e uma de 7. Os problemas são os mesmos, porém duas coisas mudaram: a cintura está com um jogo melhor e a garganta mais dilatada, de sorte que engulo sapos com mais facilidade. Dou atenção, dedicação e disciplina, inclusive na mãe dos meus netos e na caçula.

Difícil ser pai, mas dá para sobreviver.

Abraço.

LL disse...

Diego,

E irás ouvir muito mais, ai sim, muito muito mais! Eu tenho três filhos. Dois adolescentes, um rapaz de 16 anos e uma rapariga de 15, e uma criança de 7 anos.

A minha relação com os adolescente é muito boa. Mas a pouco e pouco eles vão aprendendo a usar as suas asas e cada vez voam mais alto e mais longe. E nós aqui, a ver. Tentamos ensinar-lhes a não enrolar as asas. Mas eles fazem questão de descobrir sozinhos. E nós aqui, a sofrer. Às vezes, nos seus voos descobrem coisas boas, mas já não partilham todas as descobertas connosco. E nós aqui, ansiosos. Outras vezes, nas suas saídas descobrem coisas más e ainda partilham connosco. E nós aqui, carinhosos.

É assim Diego. Temos de estar presentes.

Grande abraço e felicidade para os teus filhotes.
Luísa

Dri Viaro disse...

Que vc tenha uma boa semana
beijos

Dri Viaro

ludmilla disse...

PArece estória de livro sua vida ....
muito bem escrito ...
Espero não passar por isso com o meu filhote ..(sonha..shsusuh..td mundo passa por uma fase derejeição dos filhos ..)mais eu de td coração kero q essa fase não chegue nunca ...
bjokass

disse...

Diego, Xênia tem razão, tenho 2 filho um de 23 anos do primeiro casamento e uma menina de 15 do segundo, mas o fato é que agente se aarebenta por eles mas não tem retorno não.
Não pensei em reciprocidade, portanto fazemos tudo por amor, o amor incomdicional.
Meu filho (o mais velho) é muito genioso e brabo, dei minha vida por ele quando me separei do pai dele, para que ele tivesse uma boa casa e um lar, mas hj se tiver que me falar coisas que me deixam triste e me fazem chorar muito....vixi eles não pensam duas vezes.
Diego criamos os filhos para a vida e cabe a nós apenas indicar o caminho certo e nada mais.

um bj

Fa menor disse...

Um desabafo emocionante!

Muita força e luz!

Bjs

Anepigrafia disse...

Ahhh, pessoa!
Contamos pequenas "mentirinhas"(que doem mais do que as enormes, acredito), damos bronca, proibimos o que nós mesmos fazíamos(ou fazemos), erramos muito e acertamos também, mas nunca nunquinha vamos perder esse amor sem limites que vêm dessas criaturas que nos ama incondicionalmente, pode acreditar!!
#beijojávou

Sissym disse...

Diego, as palavras de Xenia são sempre sábias, um excelente conselho para que vc e eu leiamos. Eu, pq tenho guarda alternada e isso não é nada bom... e que as crianças vão crescendo e nos indicando o que gostam ou não.

Quanto ao seu filho,... menino, vc é um aventureiro de coração muito grande!

Beijocas!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Intense Debate Comments